Header Ads

Evolua como o Goku evoluiria (ou um guia para ser um Super Saiyajin )


Obra: Dragon Ball
Formato: Série animada
Ano: 1986-atualmente
Direção: Daisuke Nishio e Minoru Okazaki
Criação: Akira Toriyama


A pergunta não é "você já assistiu Dragon Ball?", mas sim "quantas vezes você já assistiu?" É impossível não ter visto Dragon Ball em alguma de suas fases (Z, GT, Super...), mesmo que de relance, passando pela sala ou parando para erguer as mãos e ajudar Goku a fortalecer a Genki Dama. Isso porque o anime é um dos maiores fenômenos do mundo, figurando em 11 de cada 10 referências da cultura pop - e também porque passava na extinta e saudosa TV Globinho (R.I.P.). Seja você um leitor mais jovem ou um adulto barbado, Dragon Ball fez e faz parte da sua história. Quem nunca chegou correndo da escola, completamente esbaforido só pra poder assistir a uma épica luta entre Goku e Majin Boo enquanto sua mãe preparava o almoço? E quando o episódio terminava em seu ápice, em uma época pré-internet, o que restava fazer? Aguardar o próximo no dia seguinte e segurar a ansiedade brincando de torneio de artes marciais com o vizinho na calçada (eu soltava altos Kamehameha's). 

Admita: você também levantava os braços até dar cãibra nessa hora.

Uma das coisas mais marcantes na série (e os fãs mais inveterados hão de concordar) era o momento em que Goku se transformava em Super Saiyajin. Seus cabelos cresciam e se tornavam loiros; seus olhos ficavam azuis, mas não era apenas isso, a força do personagem também se elevava a um nível descomunal fazendo com que ele vencesse os inimigos que até então considerávamos imbatíveis. A transformação em Super Saiyajin era uma espécie de upgrade, uma evolução que melhorava os atributos de luta dos guerreiros e que se desdobrava em diversos níveis. Ao descobrir que Goku, Gohan e Vegeta, por exemplo, podiam evoluir para outras fases ainda mais avançadas de Super Saiyajin, todos que acompanhavam o desenho iam ao delírio e se enchiam de expectativa, aguardando para ver a próxima transformação. Hoje, depois de décadas de temporadas de Dragon Ball, sabemos que os personagens conseguem se transformar em níveis cada vez mais fortes e ascendentes - do Super Saiyajin 1 das primeiras temporadas às formas mais avançadas como Super Saiyajin God e Blue, no mais recente Dragon Ball Super. Mas por que Goku e os demais guerreiros Saiyajins demoraram tanto a aprimorar suas transformações? Por que eles não foram direto da fase 1 à fase God ou Blue? Primeiro, porque se as evoluções fosse tão rápidas e bruscas assim o anime teria acabado logo na primeira temporada e o Akira Toriyama ia ficar pobre - embora os fãs teriam esperado menos e roído menos unhas para saber os desfechos das batalhas. Segundo, Skinner explica. 



O conceito de aproximações sucessivas é um dos mais caros para a Análise do Comportamento. Quando Skinner apresenta esse conceito ele afirma que sem aproximar sucessivamente e sem reforçar diferencialmente, não existe modelagem comportamental em prol do resultado final objetivado. Como assim? Digamos que você esteja acima do peso e para emagrecer seu objetivo é correr 3 km toda manhã. Seu vizinho consegue atingir essa meta e já obteve resultados impressionantes! Mas seu vizinho é seu vizinho, está nisso há muito tempo e você é você, vai começar a correr agora. Então, digamos que você compre o melhor tênis, da melhor marca, veste seu calção de corrida e vai até à orla na maior empolgação, sentindo-se o próprio Rocky Balboa. Mas após 100 metros você já está gotejando de suor, cansado, com a língua pra fora e com as pernas bambas. "Ah! Dane-se tudo! Vou desistir, essa coisa não é para mim!" Sim, a frustração pode ser grande justamente porque você não considerou algumas questões - e uma delas é justamente a aproximação sucessiva. Seu comportamento-alvo final é este: correr 3 km por dia, todos os dias da semana. Mas seu condicionamento físico não é dos melhores, você está sedentário há muito tempo, é fumante, tem sobrepeso e se alimenta mal. Essas variáveis ensejarão uma maior dificuldade inicial para você. Considerando essas e outras variáveis, você deverá então decompor seu objetivo final em pequenos passos, em etapas menores e executáveis. Isto é aproximação sucessiva! Ao invés de começar de cara com os 3 km por dia, comece com aquilo que está dentro do seu limite atual: 100 metros. Digamos que após 1 mês você se sinta mais resistente, ótimo! Agora você pode avançar mais 100 metros - agora são 200 metros por dia. Com o passar do tempo e com a conquista das novas metas, passo a passo (literalmente), você evolui seu ritmo de corrida até atingir o desejado: 3 km por dia - e que o Bolt te segure!

Goku não poderia atingir seu nível de evolução máximo logo de cara, sem passar pelas etapas menores anteriores. É preciso ter comportamentos que são pré-requisitos iniciais para que se possa avançar em prol de comportamentos-alvo finais, do mesmo modo que um estudante tem que saber as operações matemáticas básicas antes de saber álgebra. Ao longo da série animada Dragon Ball, vemos Goku treinar muito, lutar bastante, apanhar um bocado e até mesmo morrer algumas vezes (acho que a esta altura isto não é mais spoiler, né?). Mas a cada temporada e a cada desafio superado ele voltava mais forte - e encarando inimigos mais poderosos também, pois quando nós evoluímos os desafios evoluem junto. O importante é nunca parar de treinar e ser um apaixonado pelas batalhas que a vida nos apresenta constantemente, como Goku, que nunca dispensa uma boa briga e quer sempre ser mais forte do que é. É dessa forma que mesmo pressentido o perigo e o caos, ninguém agora irá nos amedrontar. Rumemos à vitória, mas vamos dando um passo de cada vez. Afinal, se Goku que é o homem mais forte do universo fez assim (há controvérsias, Superman, eu sei, mas você já nasceu pronto, Goku teve que se construir ao longo da vida), o que dizer de nós meros mortais?

Se é pop, a gente analisa!

Elton SDL

Nenhum comentário